18.11.13

Paradoxo da crítica


Calma. No entanto, havia-nos sido confidenciado, umas páginas antes, o seguinte:






A retenção do sentido faz parte do prazer do texto, prazer esse todavia não coextensível ao autor. Recapitulando: na verdade, até é coextensível, se o desejo tem um suporte imaginário e não necessariamente real. O ouro retido é imaginário.


[Chester Brown, I never liked you]





Sem comentários:

Enviar um comentário