31.5.13

Tive o privilégio de constatar o que é dito abaixo. Tenho saudades da bondade do poeta e dos poemas e das crónicas e das estórias.


Porque é que é inseguro?
Sei lá. Vou contar-lhe um segredo, mas não me importo que fique: eu escrevia com régua, à mão. Se eram coisas que podiam ser vistas por outra pessoa, escrevia com régua, e com hipocrisia. Ainda hoje faço as dedicatórias dos livros assim: uso o Bilhete de Identidade, [a fazer de régua].

Para quê?
Para ficar mais certinho, para não me mostrar em cuecas, para não mostrar a minha intimidade, a irregularidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário