26.8.17

É que vamos de aqui para ali e não chega. Um dia passamos de novo pela casa de infância e compreendemos que estamos sós. Mãe, pai, ninguém responde, só o apelo do que desconhecemos em nós. Passamos demasiado tempo a tentar compreender, e enquanto isso o tempo passa. Porque a força se escoa por algum poro invisível.

Isak observa-se mas não sabe. Olha para trás e não tem resposta, apesar de algum consolo com uma certa imagem. Decide viajar de carro e então sente; se viajasse de avião, seria de outro modo. Pois, e se um dia me tivesse mudado para aqui, tudo teria sido melhor. É terrível não saber, é terrível estar vivo — a calma dá a medida da tua humanidade, tanto quanto a dúvida. E enquanto isso — os jovens admiram. Ingénuos, e ainda a força que transmitem, de quem ainda não sabe que está perdido. Não do lugar de quem sabe o que é a vida, porque ninguém sabe. Um médico e investigador reputado percebe que nada vale a pena, pois as decisões têm sempre morte no seu reverso. Perde-se muito enquanto se ganha qualquer coisa, mas isto é só um homem com medo do seu desejo. Que avança nas sombras em busca dos pais que deviam desejar por nós. Mas nunca se sabe, apenas somos chamados a ser. Encostamo-nos à árvore como quem espera. Olhamos para trás à procura da resposta que não acontece. Uma certa calma das coisas em ordem, mas não sabemos o nosso lugar nelas e tudo parece avançar enquanto avançamos. Mas não: quando paramos, percebemos que muita coisa não se mexeu e que o passado não é um lugar imóvel.




Fotograma de Morangos silvestres de Ingmar Bergman



Sem comentários:

Enviar um comentário